Notícias

Notícias

Ramacrisna reverterá R$ 60 mil com gasto de energia em ações sociais para 400 crianças e jovens

Usina fotovoltaica possibilitará economia equivalente a 6.600 refeições por ano; compostagem e reaproveitamento de materiais também fazem parte do planejamento socioambiental da organização.

Uma usina fotovoltaica de 60 KWp montada dentro do Instituto Ramacrisna irá possibilitar uma economia anual de aproximadamente R$ 60 mil à organização, valor este que será destinado para as ações sociais realizadas com mais de 400 crianças e jovens das 13 cidades atendidas na Região Metropolitana de Belo Horizonte. “Desde agosto do ano passado, o Ramacrisna passou a ter uma economia de 80% na fatura de sua energia elétrica. Este recurso é equivalente a 6.600 refeições ao ano“ destacou o superintendente do Instituto, Américo Amarante Neto.

A usina foi viabilizada por meio do subsídio global do Rotary Internacional, coordenado pelo Rotary Clube de Belo Horizonte Liberdade e com o apoio dos clubes de Contagem, Montes Claros, BH-Pampulha e dos clubes canadenses Calgary West e Olympic, que doaram US$ 40 mil para o projeto. Somados aos trabalhos voluntários, o investimento totalizou em US$ 70 mil. A energia gerada pelos painéis fotovoltaicos instalados foi conectada à rede da concessionária de energia local (CEMIG) e reduzirá a conta de energia da Instituição pelo sistema chamado “Net Metering”.

Além da economia, o projeto possibilitou a criação de um novo módulo no curso de Eletricista Instalador, oferecido pelo Instituto Ramacrisna, que será o de instalação e manutenção de painéis fotovoltaicos. Serão quatro turmas com 20 alunos cada, somando 80 jovens, e permitirá o desenvolvimento prático dos alunos e um significativo ganho econômico e social para todos eles.  “Os cursos de qualificação profissional serão destinados a jovens entre 16 e 30 anos, que enfrentam insegurança e incerteza social e pessoal. A capacitação será totalmente gratuita, e os estudantes receberão uniformes, material escolar e certificado de conclusão do curso”, comemorou Américo.

SUSTENTABILIDADE – Mais que gerar economia na conta de luz e possibilitar a realização de novos projetos, a utilização da energia limpa vai ao encontro das medidas de sustentabilidade do Ramacrisna, permeando várias ações. Entre elas, destaca-se o trabalho de reaproveitamento do lixo orgânico como cascas de frutas, verduras e legumes consumidos no refeitório por alunos e funcionários, além de folhas secas e apara de gramas. Desde 2014, estes resíduos são destinados a uma compostagem, onde ficam maturando durante quatro meses e, após serem retirados, permanecem “curtindo” por mais um mês até serem utilizados como adubo orgânico nos jardins do Instituto. Todo o óleo utilizado na Fábrica de Telas de Arame e na Escola de Mecânica de Automóveis também é destinado a uma empresa que realiza o tratamento e beneficiamento do produto.

Há, ainda, o projeto de eficientização energética realizado em parceria com a Cemig, que promoveu as trocas de motores, lâmpadas e fios para equipamentos mais eficientes. Atualmente, todas as lâmpadas da Instituição são de LED. A implantação de um sistema de aquecimento solar de água também promove a higienização de todo o material utilizado na cozinha (pratos, panelas, etc.) e dos alimentos com mais economia, além do aquecimento do buffet e dos chuveiros.

Somado a isso, o Instituto ainda realiza oficinas com materiais reaproveitados, como embalagens de papel e plástico, retalhos de tecidos, jornal e revistas e aparas de madeira são algumas das atividades sustentáveis realizadas com as crianças, alunas do CAER – Centro de apoio Educacional Ramacrisna, que atende estudantes de cinco escolas públicas de Betim. O próprio Centro Cultural do Ramacrisna, inclusive, possui teto em material mineral e forração das paredes em papel de jornal reutilizado, que possibilitou uma excepcional acústica.

“Além de tornarmos as crianças e jovens em multiplicadores das práticas ambientais em suas famílias e comunidades, incentivamos a preservação do meio ambiente e sua conscientização na responsabilidade de cada um e de todos nós, para termos um mundo melhor”, ressalta Solange.

 

compartilhar:

Receba nossas notícias