Notícias

29 de novembro de 2022

Apoio pedagógico|Cursos|Educação / Profissionalização

Como promover a cultura de paz e combater a criminalidade?

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), cultura de paz é o conjunto de valores e ações que rejeitam a violência e apostam no diálogo para a solução de conflitos. Ou seja, trata-se de oferecer novas alternativas para o caminho de marginalidade e criminalidade.

O tema aparece no Objetivo do Desenvolvimento Sustentável de número 16: “paz, justiça e instituições eficazes”. A ideia é promover sociedades mais pacíficas e inclusivas, proporcionando um desenvolvimento sustentável para todos os membros de uma comunidade.

Entre as metas estabelecidas pela ONU estão a redução de todas as formas de violência e as taxas de mortalidade relacionadas em todos os lugares.

Para alcançar a cultura de paz, é preciso um trabalho conjunto de toda a sociedade. No Instituto Ramacrisna, as ações têm papel fundamental no combate e redução da criminalidade, levando novos horizontes para milhares de jovens.

A região, antes muito afetada pelo tráfico de drogas, encontrou no Instituto uma poderosa ferramenta para a cultura de paz. Saiba mais a seguir.

Projeto Descubra e ressocialização

A primeira ação que a vice-presidente do Ramacrisna, Solange Bottaro, destaca é o Descubra! – Programa de Incentivo à Aprendizagem de Minas Gerais. O projeto é uma parceria entre 11 órgãos e instituições federais e mineiras, dentre elas, o Ramacrisna.

A iniciativa promove o acesso de jovens entre 14 e 21 anos que estejam em cumprimento de medidas socioeducativas ou egressos à programas de aprendizagem e qualificação profissional. O projeto também trabalha com adolescentes em acolhimento institucional ou que tenham sido resgatados de situação de exploração de trabalho infantil.

“Temos vários relatos de jovens que eram traficantes, usavam drogas e não tinham perspectiva de vida. Era o que os levava a esse caminho. As atividades deram um novo propósito para eles. O projeto Descubra trabalha com um público mais difícil, com meninos que já estiveram presos e até ameaçados de morte. O fato de conseguirem sair dessa situação é muito gratificante, muda mesmo a vida deles. Se não estivessem no Ramacrisna, poderiam até estar mortos”, ressalta Solange.

Além das matérias obrigatórias, o diferencial é que, na organização, são oferecidas a esses adolescentes e jovens atividades complementares como oficinas de robótica, aulas de xadrez, de programação e atividades na impressora 3D. Os participantes ainda assistem a palestras com psicólogos, assistente social e ex-alunos.  

Cultura de paz: trabalho desde a infância

Solange destaca que o trabalho de promoção da cultura de paz afeta a todos os membros da família. “O objetivo é afastar os jovens dos traficantes. São famílias com poucas oportunidades e uma vida sofrida. Nosso trabalho é mostrar que a marginalidade não dá futuro e realizar um processo de conscientização de toda a família”, explica.

Solange cita casos em que a mãe era traficante e fazia dos filhos pequenos “aviõezinhos”, como são chamadas as pessoas que fazem entrega de drogas. “Esses são casos mais difíceis, mas não impossíveis”, acredita.

“Nossa proposta é evitar que a criança entre no mundo do tráfico e precise do projeto

Descubra”, destaca. Por isso, o trabalho do Ramacrisna começa recebendo

crianças a partir de seis anos, no Centro de Apoio Educacional Ramacrisna (CAER). Com oficinas de reforço escolar, cultura, esporte e lazer, os alunos ocupam o contraturno da escola tradicional e recebem almoço e lanche.

“É nessa idade que se começa a formar o caráter e a perceber outras possibilidades. A criança não fica na rua e não vai para o tráfico. Além disso, ela descobre outros valores”, destaca.

Aos 14 anos, o jovem pode ingressar no projeto Adolescente Aprendiz, que permite a inserção no mercado de trabalho. “É o momento mais perigoso, em que ele pode sucumbir a entrar na marginalidade. Mas o aprendiz vê as possibilidades de poder trabalhar e estudar”, aposta.

A partir dos 16 anos, o jovem pode se matricular em um dos cursos profissionalizantes, encontrando novas oportunidades no mercado de trabalho. “Ele fecha um ciclo. Quando ele passa por esses processos, não é pego pelo tráfico. É um círculo virtuoso que conquista família e vizinhos”, afirma.

Faça parte de nossa corrente do bem e ajude a promover uma cultura de paz. Entre em contato e saiba como colaborar.

compartilhar:

Receba nossas notícias